Quem tem boca vai a Roma!

Viagens

E aí, tudo bem?

Estou eu aqui de volta, dessa vez não muito atrasada! rs

Hoje vou contar sobre nossas quase 24hr em Roma, nossa visita a cidade foi totalmente programada, para tentar conhecer tudo pois teríamos pouco tempo, mas isso não quer dizer que deu super certo. rs Teve muita correria, teve distração com chaveiros a 1€, faltou gelatto, teve decepção, teve briga, teve também admiração e, com certeza, tivemos a confirmação do ditado: “quem tem boca vai a Roma”. Porque, meus queridos, eu que tenho o maior senso de direção possível, que estou em casa em qualquer lugar, me perdi a cada esquina de Roma!!! 😢 Então toda hora ficava desesperada e parava para perguntar: “onde é a fontana tal”, “o pantheon”, “a rua”, “a praça”… “Meu deeeeeeeeus o que é virar à sinistro?!?” Hahaha

Vamos começar do começo, ainda no Brasil, pensando o roteiro, eu estava contando as moedas e os dias na Europa, pois queria muito conhecer mais um país, sabia que ia demorar a voltar por lá, mas estava difícil, já íamos a Paris e Londres (que foram as escolhas das meninas), queria muito ir à Barcelona, Amsterdam ou Roma, mas deixei pra lá, até o dia que vi em um grupo de Malta no Facebook, que a companhia aérea Ryanair estava em promoção! ❤ aí digo a vocês, se não sabem o que é amor nessa vida, é porque vocês nunca ouviram a frase “Ryanair em promoção!!” rs rsrs anjos cantam, as estrelas brilham, a vida ganha mais cor! Haha Fui desesperada no site ver para onde tinha passagem barata, e ao mesmo tempo ver qual dos três lugares eu conseguiria fazer um roteiro legal em apenas um dia. (porque nós éramos exemplares e não queríamos matar aula, para viajar rs # não direi que me arrependo, imagina!) Tinha Barcelona, mas o aeroporto que a Ryanair utiliza lá é um pouco distante, perderíamos muito tempo e não aproveitaríamos. Então foi aí que vi que Roma era perfeita, achei um roteiro ótimo de um dia, e as passagens? 50€ ida e volta cada, já com as taxas ❤❤ foi bem fácil convencer as meninas! rsrs

Fechamos, e então comecei a pesquisar hostel. Achei um super bem localizado, próximo a estação Termini (melhor localização para se hospedar em Roma), o Hostel Alessandro Downton, pagamos por uma noite, três camas em dormitório feminino, com banheiro compartilhado: 40,50€ (bem baratinho!).

Nossa viagem foi no nosso terceiro sábado em Malta, já estávamos bem acostumadas com ônibus e tudo. Saímos cedo pra pegar o ônibus pro aeroporto, mas ficamos uns 30 minutos no ponto e nada do ônibus passar, nosso horário estava ficando apertado, começou o desespero, apavoradas de perder o vôo, saímos correndo atrás de táxi, até que achamos um e fizemos ele voar pro aeroporto. Ele se aproveitou e quis cobrar por pessoa no táxi 😢 lembro que pagamos reclamando muito, saímos correndo pra sala de embarque e, no fim, até esperamos um pouco. Na hora de embarcar a moça olhou nosso passaporte, perguntou o que fazíamos em Malta e carimbou nossa passagem (sustinho básico, não sei porque ela fez isso, mas ok). O vôo de ida foi bem tranquilo, o aeroporto de Malta é bem pequeno, parece o Santos Dumont, aqui do Rio, da um pouco de nervoso, porque na hora de decolar parece que vai bater em tudo! rsrs

*Entenda o vôo da Ryanair, a empresa é Low Cost, e tem vôos realmente baratos, já chegaram a fazer promoções loucas de aniversário que as passagens saiam por 1€, mas os vôos geralmente saem de aeroportos secundários, as vendas são on-line, você geralmente não pode marcar assentos quando compra, só no check-in e você deve fazê-lo on-line também, porque corre risco de perder a passagem se não o fizer!! E dentro do avião, as poltronas são bem simples, nada muito confortável, com pouco espaço, mas tudo suportável, tem propaganda na parte de trás dos assentos e as comissárias são tipo comerciantes, vendem várias coisas. Mas gente, é muito amor! rsrs  Vale muito a pena, se seu negócio é viajar sem gastar absurdos!

Ryanair = muito amor! ❤

Depois de 1:20hr de vôo, chegamos em Roma, na cabeça já vem a Tarantella (tatatatataataratara 🎶), toda a animação e cheiro de pizza, imaginei rs

Nosso vôo parou no Aeroporto Ciampino as 11:30. Nós – lerdas – resolvemos ir ao banheiro antes de comprar as passagens de ônibus para o centro de Roma e perdemos o horário de 12:00, tivemos que comprar o de 12:30 e ficamos mofando na fila e no sol. 😢 Tem várias empresas que fazem essa rota do aeroporto até estação Termini – centro de Roma, a viagem dura em torno de uns 40 minutos, custa em torno de 8€ ida e volta, mas pode comprar só ida ou volta. A mais conhecida é a Terravision e você consegue comprar pelo site deles, com horário certinho. Se você for do Brasil, muito provável que chegue pelo aeroporto Fiumicino, lá também tem essas empresas de ônibus que deixam você no centro de Roma, pelo mesmo preço, mas o caminho é mais longo leva uns 55 min.

E aí começou a viagem, quando estávamos chegando a Roma, fiquei extremamente ansiosa. Vou explicar: Roma sempre foi um lugar que imaginei estar, além de toda a história, os filmes me conquistam, me levam ao destino. Desde que vi “Sabrina vai a Roma”, com muita magia, aquelas fontes lindas, o Sallen comendo pasta.. rsrs adorava aquele filme 😍e depois com o segundo filme do Código da Vinci, que passa por cada ponto turístico de Roma e trás todo um encanto… Resumindo, cheguei com a expectativa a mil! rs

E o que você vê primeiro quando chega à cidade é a estação Termini e seus arredores, quando fomos estava tudo em obra, tinha muita gente e a sensação que tive era: “meu vôo veio pro Rio, como assim?!?” Sim, achei que estava no Rio, mais especificamente ali perto da Novo Rio sabe, pra quem conhece, com aquela confusão de obra de vlt. (ps: na época das obras, agora já “melhorou” um pouco!) rs Fiquei uns minutos assim, arrasada, até que encontramos um MC Donalds e seguimos pra lá, pois estávamos morrendo de fome. E aí veio o problema, como pedir o lanche?! Se nosso inglês era difícil, o deles era impossível, mas eles “entendiam” nosso português e nós o italiano deles, e aí apelamos para o portuliano famoso das novelas da globo e deu tudo certo, “grazie!”.

Depois de satisfeitas, seguimos para dentro da estação Termini, que é gigantesca, e bem bonita (por dentro), tem várias lojas maravilhosas, cafeterias, mas estávamos com pressa pra começar nosso tour e nem aproveitamos. Seguimos as placas até chegar ao metrô, no subterrâneo, e aí veio o sustinho! Sempre ouvi falar que o metrô de Paris/Londres são horríveis e blá-blá-blá, papo de gente que não pega transporte público aqui no Brasil. 😒 Mas confesso que o metrô de Roma, mais uma vez uma comparação, é idêntico aos trens da Super Via aqui do Rio, um autêntico “Japeri”, decepção a primeira vista! Hahaha Mas ok, é um metrô bem básico e antigo, só são três linhas, e pode te ajudar muito a chegar rápido nos lugares, e a melhor parte: é super barato! A passagem simples que dura 100 min a partir da primeira vez que usa, custa só 1,50€, tem também a de 24hr ilimitada que custa 7€ (os dois servem para metrô, ônibus, transportes públicos de dentro de Roma).

*Um causo curioso, quando fomos comprar o ticket do metrô na bilheteria (pois não achamos as maquininhas do metrô, para ter uma noção do quão perdida fiquei nesse lugar!) um cara meio que furou a fila na nossa frente e quando foi comprar, acho que a moça não tinha troco, os dois começaram a gritar e fazer gestos super italianos, o que parecia uma briga daquelas (mas na verdade acho que nem estavam brigando, só falando mesmo! rs), só sei que fiz as meninas catarem moedas pra dar certinho e não ter confusão com a mulher! rs  #medo

Nesse link aqui você tem um mapinha de Roma que vai ser bem útil pra você, e nesse um mapinha dos transportes.

Estação do metrô Termini

Estação do metrô Termini – aquilo ali é um trem! rs

Nós pegamos o metrô, na estação Termini, linha B (azul) em direção a estação Laurentina, e descemos na estação Colosseu. E aí sim, você sai da estação e da de cara com o Coliseu, tão imponente! 😍 E finalmente parecia estar na Roma antiga, mesmo com o Coliseu em restauração, ainda deu aquela emoçãozinha. E quanto a ele, é exatamente o que eu esperava, gigantesco e muito encantador.

O Coliseu, que na verdade se chama Anfiteatro Flaviano, fica localizado no centro arqueológico da cidade de Roma, começou a ser construído em 72 d.C e foi concluído em oito anos, por ordem dos imperadores da dinastia dos Flávios (Vespasiano, Tito e Domiciano), para ser palco de performances de grande apelo popular, como caça e luta de gladiadores (a famosa política do pão e circo). O anfiteatro foi, e continua sendo o maior já construído, um símbolo da grandiosidade do império romano, tanto sua face quanto sua função mudou ao decorrer dos séculos, pois sofreu com vários terremotos, incêndios e saques, o que fez com que 2/3 da sua fachada original fosse perdida. Durante o período da idade média, retiraram muito do seu material para ser utilizado nas construções das igrejas de Roma, o Coliseu só não se perdeu totalmente porque a Igreja, por volta do século 17, o declarou como local sagrado. Hoje, com quase dois mil anos, é um dos monumentos mais visitados e uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno.

Uma curiosidade, o nome oficial “Anfiteatro Flaviano”, é uma homenagem a dinastia que o construiu, inaugurou e ampliou, mas o nome pelo qual é mais conhecido “Coliseu”, vem de Nero, segundo a teoria mais famosa, pois em frente ao Coliseu ficava uma estátua do imperador, conhecida popularmente de “Colosso de Nero”, daí se deduz o porque do nome “Colosseo”.

Existe uma frase famosa e profeticamente exagerada de um monge e historiador inglês, que dizia: “Enquanto o Coliseu se mantiver de pé, Roma permanecerá; quando o Coliseu ruir, Roma ruirá e quando Roma cair, o mundo cairá” (BEDA, Séc. VII)

Coliseum

“Colosseo”

Por dentro do Coliseum

Por dentro do “Colosseo”

Por dentro - "passarela" nova

Por dentro “Colosseo”

faz a blogueira

Fazendo a blogueira

É incrível ver construções tão antigas de perto, acho fantástico o fato delas “sobreviverem” ao tempo, as ações da natureza, e do homem. O Coliseu, é a segunda Maravilha do Mundo Moderno que conheci, a primeira foi o Cristo Redentor! 😍  A próxima da lista é Machu Picchu! <3  quem sabe, vamos profetizar! haha

Informações básicas: O ingresso na verdade é uma combinação e te dá direito à entrada no Coliseu, Fórum Romano e Palatino, e é válido por 2 dias, custando apenas 12€ (se comprado nas bilheterias). Uma coisa boa, todo primeiro domingo do mês a entrada no Coliseu é gratuita. Está aberto durante todo o ano, exceto 25 de dezembro e 1º de janeiro, e seu horário de funcionamento varia de acordo com o pôr do sol, sendo assim as bilheterias abrem as 08:30 e:
De 30 março a 31 agosto o encerramento é às 19:15
De 1º setembro a 30 setembro o encerramento é às 19:00
De 1° outubro a 30 outubro o encerramento é às 18:30
De 31 outubro a 15 fevereiro o encerramento é às 16:30
De 16 fevereiro a 15 março o encerramento é às 17:00

Dica master: Nós não enfrentamos muita fila para comprar o ingresso no Coliseu, mas dizem que foi uma exceção, que sempre está lotado, então a solução é visitar antes o Palatino e comprar o seu ingresso lá, pois as filas são menores. Essa dica também é interessante, pois o Palatino e o Forum Romano tomam mais tempo de visita. Mas também tem a opção de comprar na internet e marcar a hora para sua visita, paga um pouquinho mais caro, no caso 16€, mas se você for visitar em alta temporada pode valer a pena.

Outra coisa maravilhosa, descobri aqui nessas pesquisas que existe uma visita guiada noturna ao Coliseu, que você pode visitar o subsolo e a arena, que fantástico! Quero para minha próxima visita! rsrs  Vende aqui nesse site ó Ticketbar.

A cada passo em Roma você descobre uma obra incrível, bem em frente ao Coliseu, encontra-se o Arco Di Costantino, um dos quatro grandes arcos antigos de Roma, ele foi erguido e esculpido narrando os gestos heróicos da vitória de Constantino I, na Batalha da Ponte Mílvia em 312 d.C. Mas o arco foi inaugurado em homenagem a essa vitória oficialmente em 315 d.C.

Arco di Costantino

Arco di Costantino

Depois de visitar o Coliseu, pegamos o metrô e fomos até o Vaticano. Para isso pegamos o metrô na própria estação Colosseu, a linha B sentido Rebibbia, descemos na estação Termini e trocamos de linha, pegamos a linha A em direção a Battistini, e descemos na estação Ottaviano S. Pietro, que é a estação do Vaticano, que fica próxima do seu Museu.

Descendo lá, você pega a via Ottaviano, e é só seguir a reta, até a via di Porta Angelica, atravessar as pilastras e chegar à Praça São Pedro. Nessa Rua Ottaviano, tem várias lojinhas de lembrancinhas, e nem preciso dizer que fomos direto nelas para comprar chaveiros, terços e bugigangas, pagando caro, cerca de 4€ em dois chaveiros… Mas foi só a gente dar mais uns passos à frente para encontrar uma tenda gigantesca na rua vendendo todas as mesmas bugigangas por apenas 1€ cada. 😒 (como lidar? você chora o leite derramado, seca as lágrimas e gasta mais uns eurinhos por ali! Haha) Depois de felizes, com as lembrancinhas de todas as partes compradas, seguimos até a Praça São Pedro.

Uma coisa bem curiosa é que olhando pelo mapa é como se ao atravessar as pilastras para chegar a Praça São Pedro, você fizesse uma travessia de fronteiras, saindo da Itália e entrando na Città del Vaticano. (Dá para contar como outro país, na sua listinha! rs 😍)

Quando chegamos à praça já era de tardezinha, sol quase se pondo, que espetáculo de lugar, tem tantos detalhes, é tão grande, fiquei um bom tempo observando todos os lados, enquanto estávamos na fila para entrar na Basílica de São Pedro. Não sou católica praticante, mas não é preciso muito para se emocionar diante de um patrimônio religioso tão importante, até mesmo pela beleza do lugar. A fila para entrar na igreja não demorou mais que 30 min., mais rápido do que imaginamos. E eu fiquei bastante emocionada, não imaginava tão cedo estar voltando a Europa e conhecendo mais lugares tão fantásticos, com certeza tive muito que agradecer por lá! 😍

Praça de São Pedro

Piazza di San Pietro – Fila básica

Retribuindo a visita ao Papa!

Retribuindo a visita ao Papa!

No nosso roteiro bem básico e econômico de Roma, não estava nos planos pagar para entrar nos pontos turísticos, apenas no Coliseu, até mesmo porque não teríamos tempo para visitar/conhecer tudo com calma. Então nem cogitamos visitar o Museu do Vaticano, só mesmo a Praça e a Basílica São Pedro. Mas o Museu está aberto de segunda a sábado de 09:00 as 18:00 (a bilheteria fecha as 16:00) e o ingresso custa 16€, no site do Museu do Vaticano você pode comprar o ingresso com hora marcada e obter mais informações.

Outro passeio muito interessante é subir até a Cúpula da Basílica, você pode subir de escada (leia-se: muito estreitas!!), são 511 degraus pagando 5€ pelo ingresso ou pode pagar um pouco mais 7€ e subir um trecho de elevador e depois mais 320 degraus. O horário de funcionamento dessa visita é de 8hr às 17hr. (Outro que não fomos pela falta de tempo, mas acho que as meninas nem iam curtir muito! Depois do que passamos em Paris! rsrs)

Já para entrar na Basílica de São Pedro, não é necessário pagar ingresso, apenas tem horário certo de visitação de 07:00 às 18:30 e você precisa enfrentar uma fila para passar no detector de metais, um detalhe importante: necessário uma atenção com o vestuário, nada de roupas acima do joelho e ombros devem estar cobertos. Para os que gostariam de assistir uma missa na Basílica, elas acontecem de segunda a sábado: 9h, 10h, 11h, 12h, 17h. E aos domingos e dias santos: 9h, 10h30, 11h30, 12h15, 13h, 16h, 17h30.

Falando sobre a Basílica São Pedro que levou mais de 100 anos para ser construída, sua fachada tem 114 m de largura e 47 m de altura, já o interior tem 22.000 m², 186m de comprimento, a nave central tem 46 m, a cúpula principal tem 136m de altura e 42 m de diâmetro, ela possui 45 altares, 11 capelas e as principais obras de arte do mundo. São números surpreendentes!
A história da Basílica começou em 320 d.C quando o Imperador Constantino construiu a primeira, no mesmo lugar onde São Pedro foi crucificado e enterrado, em 1400 o Papa Nicolau V ordenou uma reestruturação, mas só em 1506 encomendado pelo Papa Júlio II que entregou a obra ao arquiteto Bramante, a antiga basílica foi demolida e projetada uma nova. Mas a obra seguiu de pouquinho em pouquinho, passando por muitos outros arquitetos/artistas como: Raffaello Sanzio,Baldassarre Peruzzi, Michelangelo, Giacomo della Porta, Maderno e Bernini. Maderno que foi responsável pela fachada como a vemos hoje, já Bernini ficou com a decoração interna, ele trabalhou durante 20 anos na igreja e também ajudou na construção da Praça São Pedro e sua colunata (1656-1667). Foram anos conturbados, passaram cerca de 20 pontífices na Igreja Católica, mas a Basílica de São Pedro foi concluída em 1626.

A fachada merece um destaque, pois impressiona muito! Ela é precedida por três lances de escadas (feitas por Bernini) e a cada lado está posicionada uma estátua de São Paulo e São Pedro. Em seu topo existem 13 estátuas do Redentor, de Batista e dos apóstolos (menos São Pedro que fica ao lado da escada) e dois relógios nas extremidades. Seu pórtico, tem cinco entradas e uma estátua de Constantino e outra de Carlos Magno, tem também a Porta Santa que só é aberta nos anos jubilares (Ano Santo) que acontece a cada 25 anos, mas esse ano foi declarado pelo Papa Francisco ano jubilar.

Basílica de São Pedro

Basilica di San Pietro

Olhando de perto a fachada você vê o quão grandiosa é, depois que passar pela porta, assim que você entra, logo na primeira capela a direita encontra-se a famosa Pietà de Michelangelo, esculpida a partir de um único bloco de mármore carrara. A obra é protegida por uma parede de vidro, por conta de um ataque de vandalismo que ocorreu em 1972. Você também passa pela estátua de bronze do Apóstolo Pedro que tem os pés desgastados pois os visitantes tem o “ritual” de passar a mão neles, e seguindo para o interior da igreja, você consegue ver a impressionante cúpula com seus lindos vitrais. Tem também o Baldaquino que foi construído por Bernini no século XVII, ele fica no altar principal, marcando o lugar onde estava o túmulo de São Pedro, suas colunas levam o bronze retirado do Pantheon. (Tem muito da antiga Roma no Vaticano, teve até um papa que ordenou que tirassem pedras do Coliseu para construir a Basílica! nem um pouco de senso de proteção ao patrimônio! rs).

GEDC6381

Pietà de Michelangelo

GEDC6391

Basílica cheia de turistas

SAM_0124

Baldaquino da Basílica de São Pedro

Abaixo do altar, existem cerca de 100 tumbas, você pode visitá-las descendo as escadas que levam até lá, porém o túmulo do Papa João Paulo II, fica em um nível mais abaixo, que você só consegue visitar através de tours específicos pelas Catacumbas do Vaticano.
Resumindo, eu fiquei completamente apaixonada por toda a obra, é muito incrível, são muitos detalhes e transmite uma paz, estava tendo missa enquanto estávamos lá, foi lindo!

Termino por aqui o post de hoje, mas ainda tem a parte 2, continuando nosso roteiro em Roma, tem bastante coisa para contar! Roma é incrível, mesmo que eu tenha me perdido bastante, eu adorei! rsrs

Espero que tenham gostado do post, até o próximo! 😉

Tags:

Escrito por:

Posts relacionados


Azure Window – Ilha de Gozo – Malta

Viagens

E aí, tudo bem?

Te contar ein, não estou sabendo lidar com fotos de pessoas no Instagram curtindo o verão Maltês! Gente, que lugar divino é esse?!? Quero ESSE VERÃO! 😭😭 Fico ouvindo a rádio de lá, “89,7 Bay”, pelo aplicativo TuneInradio, indo para o trabalho todos os dias, só dá aquelas músicas maravilhosas, clima de balada, pós praia, diversão, fotos lindas de Instagram… Porque sou bem assim, imagino logo aquelas coisas bem incríveis, e eu aqui na sofrência kkkk a muitos kilometros de qualquer água azul divina do mediterrâneo 😭😭 Enfim né, mas pode deixar que planejamento não falta, só falta a grana e o tempo mesmo kkkk

Hoje vou contar sobre Gozo, que é meio que uma Ilha irmã de Malta. Na verdade sobre o que conhecemos por lá com nosso tempo curto, pois com o planejamento de ir pra Roma e com as chuvas que pegamos em dois de nossos fins de semana em Malta, só conseguimos um dia pra visitar a Ilha (mesmo assim, porque matamos aula! Kkk 😯). Nós decidimos o dia pelo clima tempo, escolhendo uma data provável de fazer sol, uma quinta-feira, acordamos cedo, levamos um lanchinho na bolsa e fomos pro ponto de ônibus. Pegamos o ônibus 13 até Sliema, descemos no ponto Ferries 5 e lá pegamos o ônibus 222 – Cirkewwa, e seguimos até o ponto final, que é de onde sai a barca para Gozo.

Achei o Cirkewwa Ferry Terminal super organizado e bonitinho, o Ferry pra Gozo tem horários certinhos. Eles entregam um papel com os horários das saídas, e elas são diferentes no verão e inverno, o horário que recebi foi de inverno, de 26 de outubro de 2015 a 12 de junho de 2016, mas no site gozo channel você encontra os horários atuais. A passagem do Ferry custa 4,65€ pelo “round trip”, ida e volta. Também tem a passagem para quem vai depois das 20:00 e pretende passar a noite em Gozo, por 4,05€.

Nós chegamos lá umas 10:30 e pegamos o Ferry das 11:15, a viagem dura em torno de 25 min., bem rapidinho. Assim que entramos no “navio” (acho que é um navio, por ser gigantesco, o que conheço por balsa aqui no Rio não chega nem perto dessa que transporta até carros!!) ficamos do lado de fora, mas conforme foi navegando começou a ficar bem frio, então fomos para o interior, onde tem uma área com lojinha e máquinas de café. A viagem de ida foi bem tranquila, estávamos bem ansiosas em chegar a Gozo, acho que por isso não sentimos nada. rs

Cirkewwa Ferry Terminal

Cirkewwa Ferry Terminal – Aguardando o embarque

Por dentro do Ferry

Por dentro do Ferry

Na chegada a Gozo, depois que você sair da área de desembarque e chegar na porta do terminal, prepare-se!!! Você será extremamente assediado por motoristas, e pelo pessoal dos ônibus de turismo, oferecendo passeios até Azure Window e outros diversos pontos de Gozo. Eles chegam a ser MUITO desagradáveis tentando te convencer a fechar o passeio, mas ignore se não quiser, mas se quiser fechar com eles, pechincha, faz a mão de vaca MESMO, negocia seu preço! Porque nós estávamos duras e não nos programamos, mas nossa intenção era ir só à Azure Window e sabíamos que com nosso cartão de passagem de Malta nós andávamos de graça o dia todo, então preferimos ir de ônibus mesmo. Mas teve um cara lá, que ficou enchendo nosso saco, no começo cobrou algo tipo 20€ cada pra ir em 3 lugares e no fim o mesmo passeio estava saindo por 5€ cada. Hahaha (quase fechamos, mas confesso que ficamos com medo da insistência dele rs).
Seguimos nossos planos com o ônibus. Pegamos lá mesmo na porta do terminal o 301 – Vapour – Victoria, que ia até a estação de ônibus de Victoria, lá ficamos um tempo esperando para pegar o ônibus 311 – Victoria – Dwejra (no ponto Victoria Bay 1 – esse ônibus só passa de hora em hora, então tem que se programar direitinho!!). Todo o percurso contando o tempo de espera dos ônibus levou um pouquinho mais de 1 hora, então, se você tem pouco tempo para conhecer Gozo, eu indico fazer o passeio com os motoristas, combinando um roteiro pré-definido por você. Ou então ir pelos clássicos ônibus hop-on, hop-off, que tem as principais paradas e você desce para conhecer os pontos que preferir, você vai aproveitar o tempo que tem e conhecer mais de Gozo, porque a cidade merece ser conhecida, é muito linda e tem muito o que se ver, lamento não ter aproveitado mais.

Flores em Victoria - Bus Terminal

Flores em Victoria – Bus Terminal

Leva mais ou menos uns 20 min. até lá. As ruas em Gozo são incrivelmente pequenas, achei menor que em Malta, e o motorista é daquele jeito, corre demais. haha Mas você logo percebe quando vai chegando próximo de Dwejra (o ponto final), pois você começa a ver tons de azul além do eterno bege das estradas. E então você vai meio que descendo até lá e quando chega, é quase um choque. Pelo menos foi pra mim, eu não esperava! rs Primeiro porque você chega no fim, na pontinha da ilha, você só vê o mar e depois porque nas fotos é muito bonito, mas pessoalmente é ainda mais, surreal, incrível ver do que a natureza é capaz. Pois a Azure Window é um arco natural, que foi formado há milhares de anos por duas cavernas que desmoronaram formando essa janela que deslumbra uma imensidão de tons de azul.

É incrível, mas dá um super medinho subir até onde tirei essa primeira foto! E tinha um povo muito louco que estavam indo lá em cima do arco para tirar fotos, mesmo com várias placas proibindo isso, pois é super perigoso. Li em um site de Malta que o arco continua erodindo com as ações do vento e da água, e que com o tempo pode ser que entre em colapso, mais cedo ou mais tarde. Fora que são 50 metros de altura, pelo amor né! haha

E essa Janela é super famosinha, já apareceu em alguns filmes: “The Count of Monte Cristo” (2002), “The Clash of the Titans” (1981), e também nas séries The Odyssey (1997), e claro a aparição, que creio eu ser a mais famosa, na série da HBO “Game of Thrones”, onde a Azure Window foi o cenário do casamento entre Daenerys Targaryen e Khal Drogo.

Azure Window

Azure Window

Azure Window

Azure Window

Azure Window

Azure Window

Na parte debaixo formam várias piscinas naturais, mas quando fomos a maré estava bem baixa. Ali também tem a Blue Hole, uma caverna subaquática que leva até o mar aberto e que é bem famosa para mergulho. Enquanto estávamos lá tinham alguns mergulhadores! Meu sonho, deve ser muito incrível! Falta-me o dinheiro e um pouco mais de coragem para fazer mergulho! haha

Depois de admirar a Janela azul fomos andando até a Inland Sea, que é como se fosse um lago de água do mar, que também foi formada por colapsos de cavernas subaquáticas de milhões de anos, lá também fazem mergulho. Mas o que achamos mais interessante lá, é essa abertura, um túnel de 60 metros que leva até o mar, a chamada Blue Cave, que tem esse nome por conta da cor do mar que tem dentro dela. Aqui você vai encontrar vários barquinhos de pescadores oferecendo um passeio passando pela caverna e saindo em alto mar, onde você vai ver o outro lado da Azure Window, entrar em algumas cavernas com corais incríveis e ver as falésias, inclusive a “The face in the rock”, essa rocha que parece ter um rosto esculpido. O passeio dura no máximo uns 20 minutos, e custou apenas 4€ para cada! Vale a pena e é super divertido, o moço vai explicando as coisas, amostrando os corais, as falésias! rs (Tudo bem que não entendemos quase nada, pois a Gabi não parou um segundo de reclamar de medo, mas ok, garantimos muitas risadas! hahahha)

Inland Sea

Inland Sea

Passeio de barco

Passeio de barco – Blue Cave

Azure Window vista pelo mar

Azure Window vista pelo mar

The face in the rock

The face in the rock

Para voltar a Victoria, pegamos o mesmo ônibus 311 – Dwejra – Victoria, e descemos mais uma vez no terminal de Victoria, naquela pracinha charmosa. Como ainda estava cedo, resolvemos “almoçar” em algum restaurante ali perto e depois dar uma volta para conhecer a cidade.

Escolhemos o Café e Bistro Coffee Break, que fica em frente à estação de Victoria, pedimos um hambúrguer, porque quase não gostamos, imagina! Haha Custou uns 10€ contando com a coca cola. Muito gostoso nosso lanche, só as minhas batatas que estavam meio duras, mas o Café é super aconchegante, recomendo!

Hamburguer para alimentar <3

Hamburguer para alimentar <3

Aproveitamos o tempinho que nos sobrou para conhecer um pouco de Victoria a capital de Gozo, antes conhecida como Rabat, que além de ser o coração geográfico, é o centro administrativo e comercial da ilha, e depois subimos até a parte alta onde fica a Cittadella, a grande fortaleza de Victoria, construída em um ponto muito estratégico, no alto de uma colina, ela domina o horizonte de Gozo, seus registros arqueológicos indicam sua presença desde a Idade do Bronze, durante séculos foi um lugar seguro contra os ataques sofridos. Eu acho tão incrível essas cidades terem tantas histórias, com essa parte de pesquisar, escrever sobre os lugares que visito acabei ficando muito curiosa, e com isso me perco lendo sobre o período medieval, os ataques bárbaros, ocupação britânica, a Segunda Guerra Mundial, e vejo o quanto os povos já sofreram, mas também o quanto conquistaram. Às vezes como turista você não tem todo o contato com essas histórias no local, mas o que chega aos nossos olhos, a beleza dos monumentos, também tem muita força. Falo isso, pois o que nos fez subir até Cittadella, foi ver a caminho da Azure Window, aquela fortaleza no alto da colina, nós não sabíamos de nada sobre, mas nos chamou atenção por sua beleza e grandiosidade, e nossa curiosidade nos fez voltar lá para conhecer.

Mas não conseguimos visitar, pois desde 2008 a Cittadella estava passando por uma grande reformulação através de dois projetos de restauração e reabilitação, financiadas pela União Europeia. Um desses projetos foi para estabilização dos afloramentos rochosos os quais a fortaleza esta localizada e também da restauração de um quilômetro de muralhas. E o outro projeto incluiu a criação de um centro de visitantes, a restauração de fachadas de edifícios históricos, reconstrução de caminhos, ruas e praças que levam a Cittadella, e introdução de escadas e elevadores para aumentar a acessibilidade. E exatamente quando nós estivemos lá em 2015, devido a obras nas estradas de acesso, não conseguimos entrar, mesmo que ela tenha se mantido acessível ao público durante os trabalhos de restauração, mas só fomos mesmo até a entrada, e vimos a Catedral de Gozo de longe, essa que é dedicada a Assunção de Nossa Senhora, ela foi construída entre 1697 e 1711, onde antes era um templo romano dedicado à deusa Juno, na sua entrada ela tem duas estátuas, do lado esquerdo o Papa Pio IX, e do lado direito o Papa João Paulo II.
Fazendo essas pesquisas para o Blog, li que a Cittadella foi inaugurada no dia 30 de junho de 2016, achei a página deles no Facebook “Cittadella Gozo“, e merece uma visita, os vídeos são incríveis, está maravilhoso! E isso só me faz querer ainda mais voltar em Malta! ❤

Cittadella em obra - Vista de Gozo

Cittadella em obra – Vista de Gozo

Catedral de Gozo - Cathedral of the Assumption

Catedral de Gozo – Cathedral of the Assumption

Depois de subir a Cittadella, voltamos ao terminal de Victoria para pegar o ônibus 301 – Victoria – Vapour, para chegar até o Ferry, chegando lá você só embarca com seu ticket da “ida e volta” certinho, só apresentar. Chegamos lá na hora exata, não esperamos muito para embarcar, na volta estávamos tão cansadas que até senti um pouco de enjoo no navio, fiquei bem desesperada em chegar logo em ‘casa’ ❤ rs

Pois é, aproveitamos bem pouquinho de Gozo, mas lá tem praias incríveis, como: Ramla Bay, uma praia de areia vermelha, considerada a melhor de Gozo, fica na parte nordeste da ilha; San Blas Bay, também no nordeste da ilha, é mais tranquila pois tem que andar bastante para chegar até lá. Outras que achei nesse post incrível: Mgarr ix-Xini, Hondoq ir-Rummien, Dahlet Qorrot, Xlendi Bay e Wied il-Ghasri. Veja as fotos, você vai ficar de queixo caído!! Querendo comprar sua passagem para embarcar amanhã! haha

Não comentei antes, mas Malta e Gozo são bem famosos por seus templos megalíticos, que são templos de estruturas feitas de grandes pedras, são eles o Templo de Tarxien, Hagar Qim, Mnajdra, Ta’Hagrat, Skorba e em Gozo ficam os Templos Ggantija, e eles são datados a partir de aproximadamente 3800 a.C., mas não foram construídos simultaneamente. Essas obras dos habitantes malteses primitivos são incríveis, e uma curiosidade que li em um blog que após a construção do último templo eles desapareceram do mapa, entre 2500 e 2000 a.C. não existem traços de presença de habitantes malteses, só foram reaparecer outros traços a partir de 2000 a.C., mas de um outro povo e com conhecimentos inferiores.

Os Templos merecem uma visita, nós não conseguimos visitar, mas aqui tem algumas informações:
Templos Ggantija (Gozo), custa 9€
Templo de Tarxien, custa 6€
Templo Hagar Qim, custa 10€
Templo Mnajdra, custa 10€
Templo Ta’Hagrat, custa 3,50€
Templo Skorba, custa 3,50€

Essa foi mais uma das nossas aventuras em Malta, esse país é incrível e a cada post eu sinto mais saudades, e com certeza vontade de voltar e rever tudo de novo com outros olhos! Quem sabe logo menos eu não volte!?! 😁

Espero que tenham gostado do post de hoje, curtem, compartilhem com os amigos e não deixem de seguir a página do blog! 😍⏳❤

Tags:

Escrito por:

Posts relacionados


Bruschettas Plano B

Comidinhas

E aí, tudo bem?

Estou aqui nesse sábado mais ou menos. Sabe quando o dia acontece de um jeito completamente diferente do que você planejou?! Pois é, bem assim hoje!! Tinha um post sobre Roma pra terminar, mas não deu tempo. Muito trabalho para ser feito e, como prometi para mim mesma que teria post essa semana, estou aqui e vamos com o plano B. Pra ser sincera o plano B é maravilhoso.

Estou devendo a muito tempo um post sobre comidinhas e, como estou enjoada de pedir hambúrguer/pizza, nesse sábado o lanche vai ser por minha conta! ??Aproveitando o clima Itália nada mal fazer umas Bruschettas, esse petisco italiano que nada mais é do que um pão tostado com azeite, alho e recheio por cima, o mais original é de tomate e manjericão. Mas como o namorado não come tomate, farei umas adaptações. Passei no mercado depois do trabalho e fiz as compras necessárias para preparar, fiz Bruschettas de tomate, salame e copa! Ficaram uma delícia, sumiram rapidinho, não deu tempo nem de terminar o post. rsrs #partiucozinha

Ingredientes que utilizei:

  • 1 Baguete
  • 2 Tomates
  • Queijo parmesão
  • Salame
  • Copa
  • Azeite
  • Alho
Ingredientes

Ingredientes

Modo de fazer:

Comecei aquecendo o forno a 180º e cortando a baguete em fatias, depois as coloquei numa forma e coloquei no forno por 10 min, até dourar o pão;
Enquanto o pão estava no forno fatiei os 2 tomates, tirei as sementes e cortei em brunoise  (cubinhos. Utilizando das minhas aulas de corte, da faculdade e do curso de aux. de cozinha. rs);
Também cortei o salame e a copa em julienne (tirinhas) e ralei o queijo parmesão;
Tirei o pão do forno, esfreguei um dente de alho nos pães, coloquei o tomate em alguns pães e queijo ralado em cima, em outros pães coloquei queijo e as tirinhas de salame e copa em cima;
Reguei com azeite e coloquei no forno novamente, mas dessa vez na parte de cima da grelha, apenas para derreter o queijo.

 Tcharannnn… prontinho, coma tudo quentinho! Duvido também que alguém deixe dar tempo de esfriar.

Talento dos cortes

Talento dos cortes

Indo para o forno

Bruschettas Plano B

Bruschettas Plano B

O post foi simples, mas foi com carinho! Espero que gostem e façam a receita também, é muito fácil gente, e só sucesso!

Até o próximo post!

Tags:

Escrito por:

Posts relacionados



Bia Silva

Twitter